Sonho Espanhol: Do Brasil para os palcos e telas do mundo

Por André Luis Cia/De Barcelona *
andre.cia@hotmail.com

Do universo inesquecível e encantador do escritor Monteiro Lobato, mais precisamente da icônica personagem Emília, a boneca de pano falante, surgiu o despertar da vocação artística da atriz brasileira Mariana Boccara. Paulista de Taubaté, Mari, como é mais conhecida, confessa que apesar de ter apenas 10 anos de idade na época, a experiência de viver Emília nos palcos por seis anos ininterruptos foi essencial para que se apaixonasse pela atuação. Ela diz ter sentido como se fosse um sinal de que aquele seria o caminho que trilharia em sua vida profissional. E o que era apenas uma intuição se transformou em sua realidade de vida. Hoje, aos 28 anos, Mari já conquistou muitos sonhos como atriz (peças de teatro, publicidades, filmes e trabalhos na TV), mas seu instinto cigano sempre a levou buscar novos horizontes e desafios na carreira, e foi movida por essa paixão sem limites que desembarcou em Barcelona, em novembro de 2016, disposta a lutar por novos sonhos na carreira.

Mesmo tendo que conciliar o lado atriz com trabalhos em outra área- atualmente é hostess em um bar-, sua grande paixão mesmo é pelas artes, e é isso que a impulsiona a seguir firme em seus propósitos. Tanta determinação fez com que fosse aprovada num projeto de doutorado em Lisboa, e a partir de setembro deste ano, Mari sairá de Barcelona para uma temporada de estudos de três anos na capital portuguesa. “Estou muito feliz por ter sido aprovada nessa tese porque esse é o sonho que me fez vir para a Europa”.
Segundo ela, a ideia do projeto nasceu ainda no Brasil, e contempla o desenvolvimento de um espetáculo de teatro que englobe visões de cinco diretores de teatro radicados em cidades europeias, como Berlim, Rússia, Londres, Espanha (a definir a cidade) e uma quinta cidade que ainda será escolhida.

O intuito é trabalhar o mesmo tema sob diferentes prismas. “Sonho em ser uma atriz do mundo e ter essa experiência com diretores internacionais será enriquecedor em todos os sentidos”, destaca. No entanto, ela faz questão de frisar que até chegar a esse patamar que sua caminhada não foi nada fácil e exigiu muita determinação, força de vontade e luta em diferentes frentes. “Nem tudo são flores na Europa, e muitas vezes, me peguei pensando o que estava fazendo aqui porque no Brasil eu tinha uma estabilidade profissional na minha área, e quando cheguei na Espanha me deparei com uma realidade totalmente diferente da que eu vivia. Tive que recomeçar do zero, principalmente a trabalhar com coisas que nunca havia feito antes”, explica. Porém, ela acredita que isso talvez tenha lhe dado forças e estofo para que não desistisse no meio da caminhada.

Há oito meses na Espanha, Mari diz que Barcelona é uma cidade totalmente diferente de outros municípios espanhóis exatamente por agregar uma característica única: a pluralidade e diversidade de culturas. “É uma cidade vibrante, que não para nunca, com pessoas do mundo inteiro. Ela te proporciona uma gama cultural muito forte”. Mesmo assim, ela destaca que teve dificuldades para entender o lado mais fechado do povo catalão. Apesar de gostar muito da energia e do astral de Barcelona, a atriz aponta que em termos artísticos existem outras cidades em que ela projeta mais felicidade profissional.

No momento, Mariana se prepara para dar vida a uma das protagonistas (Liberty) do curta-metragem International Call. Será sua primeira experiência no cinema em Barcelona, e com o desafio de interpretar tudo em inglês, e também num campo de atuação novo em sua carreira: o do terror. “Nunca havia feito nada nesse gênero e está sendo muito gratificante”.

Trajetória

Mari teve seu primeiro contato com as artes aos 10 anos numa escola pública de teatro, em Taubaté- a mesma onde viveu durante anos a personagem Emília-. Aos 16 anos, iniciou sua trajetória de viagens, sempre motivada a novas descobertas. O primeiro destino foi no estado de Illinois onde concluiu o último ano do ensino médio. Lá, também participou de grupos de teatro na escola, o que a levou para muitos festivais. “Fazer teatro em outro idioma foi algo desafiador, e vi que poderia fazer isso em outros países também e isso seria transformador para minha vida como atriz e também enriquecedor com pessoa porque seria a oportunidade de vivenciar novas culturas por meio do que mais amo fazer que é a atuar”.
Depois da temporada de um ano nos EUA, Mari retornou para o Brasil e decidiu investir em mais estudos. Entrou simultaneamente em dois cursos diferentes: o de atuação na conceituada escola de teatro Célia Helena, e no curso de Comunicação Social (Rádio e TV), na FAAP, ambos em São Paulo. Após terminar a graduação em teatro, fez seu primeiro trabalho profissional: a peça “Rapunzel”, do autor Walcyr Carrasco, na qual deu vida à protagonista e teve oportunidade pela primeira vez de fazer uma temporada teatral em diferentes e importantes palcos paulistanos. Outras vertentes começaram a se abrir e surgiram convites para a TV (séries em canais a cabo), filmes e também publicidade (fez mais de 40 no Brasil).

Despertar
A vontade de desbravar novos campos profissionais começou a ser despertada quando ainda era aluna do Célia Helena. Ela conta que um dos seus professores desenvolvia uma técnica de atuação mais voltada para o cinema e sempre lhe falava sobre a importância de estudar e vivenciar uma experiência artística com diretores europeus. E foi motivada por essa dica que Mari rumou para a Dinamarca com o objetivo de estudar com o renomado autor italiano, pesquisador e diretor de teatro Eugênio Barba. Graças a esse curso recebeu o convite para ser assistente de direção de um dos seus espetáculos. Após essa experiência, mudou-se para um novo país: Itália “Fui batendo de porta em porta e cheguei até uma companhia de teatro profissional. Eu não falava italiano, mas tinha alguma noção por ter familiares italianos. Decidi encarar o teste e passei. Fiquei um ano com essa companhia e só retornei para o Brasil no final de 2012 quando a crise europeia estava no auge”.

No Brasil, Mariana tem uma trajetória diversificada em teatro, cinema e televisão. Na TV, participou das séries PSI (HBO) e Morando Sozinho (Multishow) e Todo Tempo do Mundo (GNT). Ainda na TV apresentou por um ano e meio o programa WB Games da Warner Bros, No cinema, dos longas Entrando numa roubada, do diretor André Moraes; Elis, de Hugo Prata; On The Road, de Maurício Oliveira e Ela não vem, de Mariana Fleury.

A mudança para Barcelona no final do ano passado surgiu pelo desejo de lutar por esse projeto de teatro internacional. Como tinha uma grande amiga morando na cidade, isso foi um fator que pesou em sua decisão. “Vim sem falar nada de espanhol, mas como sempre fui muito determinada, aos poucos, fui aprendendo, e com minhas experiências de trabalho, hoje, consigo me comunicar no idioma. Só que por Barcelona ser uma cidade globalizada, muitas vezes, o inglês é fator decisivo numa seleção, e a maioria dos testes são nesse idioma”. Outro feito importante conquistado em sólo espanhol foi participar de uma campanha publicitária internacional de uma agência bancária brasileira que veio especialmente para gravar a participação de Mari em Barcelona.

Atuação em filme biográfico de Elis
Dentre tantas atuações de destaque no cenário artístico brasileiro, Mariana Boccara, Mari, teve oportunidade de participar como atriz de um projeto biográfico: o filme “Elis”, que conta a história de uma das maiores cantoras brasileiras, Elis Regina. No longa dirigido pelo cineasta Hugo Prata, Mari interpreta uma mulher que causa ciúmes em Elis. O filme conta a trajetória da eterna “Pimentinha”- apelido com o qual Elis Regina Carvalho Costa ficou conhecida no Brasil-. Na história, Elis já adulta, deixa o Rio Grande do Sul para espalhar seu talento pelo Brasil começando pelo Rio de Janeiro. Em rápida ascensão, ela logo conquista uma legião de fãs, entre eles, o famoso compositor e produtor Ronaldo Bôscoli (Gustavo Machado), com quem acaba se casando. Estrela de TV, polêmica, intensa e briguenta, Elis, não tarda a ser reconhecida como a maior voz do Brasil, em carreira marcada por altos e baixos.

* André nasceu em Americana (SP) e formou-se jornalista pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Trabalhou em jornais da região de Campinas e, mais recentemente, decidiu viajar pelo mundo, passando pelos Estados Unidos, Portugal, Irlanda e, atualmente, mora em Barcelona, de onde decidiu escrever a série Sonho Espanhol, que narra a história de outros brasileiros que vivem no país europeu e buscam, assim como ele, um lugar ao sol.

 

 

 

Outros Posts

Eduardo Gregori

Eduardo Gregori é jornalista profissional e consultor de viagens. Eduardo Gregori is a professional journalist and travel consultant.

Leia Também