Maceió, a beleza sem fim da capital das Alagoas

Vista da orla na região central de Maceió

É impossível escrever sobre destinos praianos do nordeste brasileiro sem cair no chavão de que a região tem sol e calor o ano inteiro. Outros estereótipo tratam dos muitos quilômetros de praias salpicadas de areias brancas e mar de cor turquesa com temperatura agradável. Seja chavão ou estereótipos, o nordeste é uma das regiões com as mais belas praias do mundo e não importa se estamos caminhando em direção ao inverno no Hemisfério Sul. Afinal, como escrevi, o calor e sol nunca vão embora dessa terra  abençoada.

Se em um outro post escrevi sobre a bela Aracaju, dedico este a Maceió, a tropicalíssima capital das Alagoas. Vale lembrar que, entre os meses de maio e agosto, a cidade é varrida por ventos e muita chuva. Isso pode prejudicar um pouco a quem pretende sair em passeios de jangada. Mas como um típico paraíso tropical, passada a chuva, o sol e o calor reinam absolutos novamente.

Praia do Gunga

Voando para o paraíso
As opções de voos entre o estado de São Paulo e a capital alagoana são variadas. São apenas três horas, mesmo tempo de viagem entre São Paulo e Buenos Aires. Há voos partindo dos aeroportos de Guarulhos, Congonhas e de Viracopos. Então, é só escolher o horário (e quem sabe o preço) que mais apetece.

Hospedagem
Infelizmente Maceió sofre do mesmo mal que assola as grandes cidades latino-americanas: a violência. Mas é infinitamente menor daquela vivida os 365 dias por ano nas metrópoles do sudeste. Mesmo assim, é preciso se inteirar de onde ficar hospedado. Ninguém quer ficar perdido em uma cidade que não conheça e correndo o risco de cair em uma região violenta.

Apesar das praias mais belas estarem distantes da área central, a melhor área para se hospedar é na zona hoteleira, bem de frente para o mar. Claro que os hotéis nesta parte da cidade têm diárias mais elevadas. Porém, por se tratar de uma área turística, conta com bons hotéis, infraestrutura e mais segurança.

Ponta Verde

Qual escolher? As melhores opções são Pajuçara e Ponta Verde. O que mais atrai em Pajuçara é que, apesar de ser uma região já bem conhecida pelos turistas, guarda um certo ar das vilas praias nordestinas, com feirinha de artesanato. Lugar gostoso de passar de dia e de noite. A localização é outro atrativo, pois tem tudo o que o turista precisa e bem pertinho. E, apesar de ser bem central, não perde nada em beleza para as outras mais afastadas. A praia é conhecida por suas piscinas naturais e águas cristalinas. Ponta Verde também é uma ótima opção para ficar, mas esta parte da cidade já é mais moderna e elitizada. Quem gosta de se hospedar com luxo deve escolher, mas a região não é tão turística. Vale lembrar que as águas de Ponta Verde são menos poluídas que em Pajuçara

Jangadas


Dorival Caymmi escreveu sua Suíte dos Pescadores inspirado nos trabalhadores do mar da Bahia, mas, “Minha jangada vai sair pro mar, vou trabalhar, meu bem-querer” bem que poderia ter sido composta ao contemplar a orla de Maceió. Elas fazem parte da paisagem e ir a Maceió e não passear em uma delas é como ir a Paris e não subir na Torre Eiffel. Os passeios podem ser contratados com antecedência já incluso em pacotes turísticos, ou em algum hotel, ou ainda diretamente com os jangadeiros. Nesta última opção basta se dirigir a praia e tratar diretamente. Na alta temporada o passeio é mais caro, mas em outras épocas do ano sai por aproximadamente 20 reais por pessoa. O passeio dura cerca de duas horas e vai até as piscinas, distantes dois quilômetros da praia. Lá, além de aproveitar as águas calmas e nadar na companhia de peixes, o turista pode relaxar nos bares flutuantes. Uma experiência incrível.

Praias paradisíacas
Se o turista é do tipo que adora uma praia, e de quebra aprecia belas paisagens, então deve alugar um carro e pegar a estrada para conhecer o litoral mais afastado de Maceió. No Sul, destacam-se a Praia do Francês e da Barra de São Miguel. A primeira fica a 20 quilômetros do Centro e é destino de surfistas que aproveitam o mar agitado para deslizar sobre suas ondas. A Praia do Francês também é para quem gosta de agito. Muito movimentada durante o Verão e feriados prolongados, a praia tem bares e restaurantes para todos os gostos e bolsos. Um pouco mais distante, a 30 quilômetros, a Barra de São Miguel é mais nativa. Então, não espere grande infraestrutura.

Passeio de jangada

É um passeio mais rústico. Porém, toda a beleza natural compensa tudo. O turista deve esperar a maré baixar para aproveitar as piscinas que se formam nos arrecifes que formam a praia. Para quem não quer ficar torrando ao sol ou petiscando na estreita faixa de areia, uma dica é pegar uma jangada. E vale dizer que este passeio é infinitamente mais bonito que o de Pajuçara. Ao sabor do vento, a jangada vai até a Praia do Gunga, outra maravilha desenhada pela natureza.

A Praia do Gunga é daquelas que lembram cenários de novelas como Tieta. Muitos coqueiros, mais piscinas naturais e litoral recortado por falésias, formações rochosas tão presentes na orla nordestina. O Gunga tem boa infraestrutura com restaurantes e barracas. Como em Natal (RN), nesta praia é possível alugar um buggy por algumas horas e explorar a região. O passeio pode ser também de quadriciclo, que ficam disponíveis para aluguel no estacionamento da praia. Tem menos aventura do que os passeios de buggy, mas não deixam nada a perder. A Praia do Gunga, principalmente para quem pensa em estender o passeio, é para passar o dia todo. É bom levar dinheiro vivo, pois alguns serviços não aceitam pagamento em cartões. O buggy custa, em média, 30 reais e uma dica para aproveitar (e não ter que ficar esperando, ou esturricando ao sol do meio-dia) é chegar cedo.

Passeio de buggy na Praia do Gunga

Mais ao sul
Se o visitante tiver com tempo, não deve deixar de fora uma esticada até Penedo, a quase 200 quilômetros de Maceió. O município tem um dos passeios mais lindos da região. O barco singra o Rio São Francisco até o mar. A embarcação para próximo da foz, lugar bem rústico, mas preparado para receber o turista, com barracas de comidas e lojinhas de artesanato típico. No retorno a Penedo o barco desliza calmante pelo Rio, de onde é possível avistar toda a beleza natural da região. Aproveite para conhecer a cidadezinha, que mais parece cenográfica, de tão bela

Penedo, cidadezinha nas margens do Rio São Francisco

Norte
Se o sul é de uma beleza indescritível, o Norte é ainda mais. Porém, a parte norte de Maceió é para quem gosta de escapar da multidão e, por isso, fazer um passeio mais rústico. A exceção é Praia de Ipioca. Ali fica o Restaurante Hibiscos, que oferece toda estrutura ao visitante. pagando uma entrada é possível usufruir de serviços que vão de cadeiras na beira da praia, espreguiçadeiras e guarda-sol. E o turista ainda pode se hidratar com sucos, ou desfrutar de um extenso menu de drinques molhando os pés nas águas mornas deste pedaço de paraíso. E quando bater a fome, é só se dirigir ao restaurante, um dos mais conhecidos em todo o nordeste por sua excelente gastronomia. Vale lembrar que tanto as bebidas quanto as refeições são à parte.

Restaurante Hibiscos, na beira da Praia de Ipioca

São Miguel dos Milagres conseguiu preservar sua identidade como vila de pescadores. Não espere luxos e modernidades. E a beleza está justamente nesta preservação, onde o tempo parece ter parado. São Miguel é para compartilhar com os locais, que recebem seus visitantes com muita cortesia e calor humano. Para chegar a pequena vila é preciso pegar a Rodovia 101 até a vila de São Luis do Quitunde e seguir mais 10 quilômetros. Se é difícil chegar, todo esforço valerá a pena, principalmente por quem não gosta de bandos de turistas. Entre as belezas de São Miguel dos Milagres estão a Praia do Patacho, do Toque e o Santuário do Peixe-Boi Marinho junto ao rio Tatuamunha.

São Miguel dos Milagres

Tá com tempo?
Se tempo não for um problema, dê uma esticada até Maragogi, município alagoano conhecido internacionalmente por sua deslumbrante beleza natural. A esticada é de 128 quilômetros pelas Rodovias 101 e 105. E se o visitante tiver fôlego, pode ir mais longe, até o paraíso pernambucano de Porto de Galinhas, a 214 quilômetros de Maragogi.

Outros Posts

Eduardo Gregori

Eduardo Gregori é jornalista profissional especializado em turismo. Eduardo Gregori is a professional tourism journalist

Leia Também