Barcelona reúne festas, arte e arquitetura

Escolhi viajar para Barcelona por acaso. Queria passar férias em Lisboa, porém, uma promoção de uma companhia aérea deixava mais barata a ida a Barcelona com parada em Lisboa do que voar apenas para a capital lusitana. Barcelona estava no meu radar há tempos e eu adoro a Espanha. Confesso que a cidade me surpreendeu pela gama quase infinita de atrações, eventos, exposições, lugares para visitar, praias e festas, muitas festas. Se há muito o que se fazer e ver, a cidade tem também no seu sistema de transportes uma atração em si. Você pode ir para qualquer lugar de transporte público. Seja de trem, metrô ou de ônibus.

Minha “ficha caiu” que eu estava na cidade mais moderna da Espanha, quiçá do mundo, em um clube noturno. Saí para dançar com amigos e a pista de dança era uma verdadeira mistureba, entre patricinhas e gente descolada, e todo mundo numa boa (isto é o que mais cativou em Barcelona: diversidade e respeito). Porém, algo me chamou a atenção: um casal dançava nu em plena pista e o mais incrível, ninguém se importava. Comentei com amigos que, se aquela cena se passasse no Brasil, o casal seria filmado e as imagens publicadas on-line, e a dupla ainda seria motivo de chacota e certamente, iria presa. Mas estamos em Barcelona, certo? Tudo pode acontecer. Até mesmo encontrar bebida alcoólica de madrugada — cuja venda é proibida —, mas em Barça (olha a intimidade) em qualquer balada que se preze há vendedores ambulantes oferecendo um menu completo que vai de destiladas a fermentadas, tudo longe dos olhos da fiscalização, é claro. Bem, o jeitinho brasileiro tem tudo a ver com Barça.

Detalhe do teto da igreja da Sagrada Família

Mas se a cidade pode chocar com uma experiência nudista no meio da noite em uma pista de dança, ela também é capaz de deixar qualquer um de boca aberta com sua arquitetura, onde sobressaem cores, especialmente nas obras de Gaudí. Não sou católico, mas me emocionei profundamente ao visitar a Igreja da Sagrada Família. Apesar de ainda estar em construção, a obra máxima do arquiteto é a mais pura expressão da beleza que o homem pode fazer. O único senão são os milhares de turistas que enchem o templo como um coral em uma cacofonia coletiva, além do barulho das máquinas que seguem construindo a igreja. Porém, me esforcei e tive um momento só meu com o lugar. Mirei no Cristo crucificado que paira sobre o altar-mor e me desconectei de tudo ao redor. Independente da religião, o templo é para apreciar cada detalhe, se é que é possível fazer isso em apenas um dia de visita.

Hospedagem
Para mim, uma das principais questões sobre Barcelona era onde ficar. Vi de tudo, de hostel barato em lugar ruim e hotéis caros longe de tudo. Confesso que meu orçamento estava apertado afinal, eu teria um mês inteiro pela frente e teria que ter fôlego para gastar multiplicando tudo quase por quatro vezes (a diferença entre euro e real) tendo que comer, me divertir, me locomover e, claro, ter um lugar decente para dormir. Fiquei feliz em saber que Barcelona não é como Paris, que, quanto mais próximo da região central, mais cara fica uma diária de hotel. Porém, Barcelona é uma das cidades mais visitadas do mundo e, por isso, a taxa de ocupação de seus mais de 300 hotéis está sempre próxima do limite, ou seja vai ser difícil encontrar uma boa promoção, mas não é impossível. No que diz respeito à localização, escolha sempre estar próximo a uma estação do metrô.

O Porto Olímpico

Mesmo que o hotel esteja longe das atrações, se deslocar pela cidade de metrô é superfácil e cômodo. Agora, se você é do tipo que não abre mão de pisar porta afora do hotel e estar pertinho de tudo, escolha lugares como o Barri Gòtic, Eixample, Las Ramblas ou Raval. Barcelona tem hotel (hostels e albergues) para todos os gostos e bolsos. Uma dica importante é acessar sites como o TripAdivisor e ler comentários. Funciona como um termômetro da experiência que você terá por lá.

 

Voos
– Do Aeroporto Internacional de Viracopos, a TAP oferece três voos por semana para Lisboa, com conexão para Barcelona. Da capital lusitana (voo de uma hora), são cinco frequências diárias para a cidade espanhola. Informações: www.flytap.com.

– Do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, a TAM mantém três voos semanais para Barcelona, com saídas as terças, quintas e domingos. Informações: www.tam.com.br A Singapore Airlines, que opera o trecho São Paulo-Singapura três vezes por semana, faz uma escala em Barcelona. Os voos partem de São Paulo às segundas, quintas e sábados. Informações www.singaporeair.com/pt_BR/br/home

Parte do Park Güell onde estão as obras de Gaudí

Dica
O Aeropuerto El Prat está conectado ao sistema de transporte público de Barcelona. Há uma estação do trem de cercanias (periferia) no aeroporto, que se interliga com o metrô, o que torna fácil, rápido e barato o embarque e desembarque no terminal.

-Preço médio da passagem
US$ 700 em classe turística e baixa temporada

Praças, parques e museus convidam o turista a curtir a cidade ao ar livre
É verdade que Barcelona vive do Verão. Afinal, suas praias, praças e parques — sem falar no calor intenso —, praticamente obrigam o turista a deixar os roteiros mais tradicionais e explorar a cidade no que ela tem de melhor: espaços ao ar livre. Mas se está começando o Inverno no Hemisfério Norte, vale lembrar que Barcelona não tem um clima tão rígido nessa época do ano. E se não dá para cair na água, não faltará um solzinho para sair pelas ruas.

Antigo Hospital Santa Creu I Sant Pau: exposições

E por onde começar? Como Barcelona tem um quase infindável número de lugares para ver, decidi elencar os imperdíveis. Começo pelo Park Güell, um dos sítios mais emblemáticos da cidade, e que guarda obras de Gaudí. O parque fica no bairro de Gràcia e é um lugar para se conectar com belas paisagens. Se for de metrô, prepare o fôlego, pois é preciso subir uma ladeira que parece não ter fim. Ladeira, que continua parque adentro, misturada com a poeira do chão batido. Mas é no topo do parque que o visitante esquece o perrengue da subida: uma visão esplendorosa de Barcelona. Aproveite para fazer muitas fotos. Descendo a ladeira fica o sítio trabalhado por Gaudí e seus azulejos esmaltados. O acesso a essa área é pago — cerca de 8 euros — e o acesso é limitado a um número simultâneo de pessoas. Por isso, quando há muitos visitantes, é preciso esperar pela sua vez. Informações sobre preços, horários e como chegar em www.parkguell.cat.
Outro lugar deslumbrante é o Parc de Montjuïc. O lugar reúne museus em meio a jardins e muito verde. Isso sem falar de seus mirantes, de onde é possível ver Barcelona de outro ponto de vista, porém, igualmente bela como a vista do Park Güell. A entrada é gratuita, mas vale lembrar que aqui também é preciso ter fôlego para encarar a subida. Porém, há um trecho com escadas rolantes ou o funicular. Há ainda um acesso pago, em teleférico que liga a base aos níveis um e dois, especialmente para quem não quer enfrentar a longa caminhada. Informações em www.barcelona.com/barcelona_city_guide/city_visits_of_barcelona/montjuic.

Sagrada Família
É impossível falar de Barcelona e não mencionar a igreja da Sagrada Família. Descomunal, não é à toa que a obra, mesmo inacabada, rasga o horizonte da cidade e pode ser vista de qualquer mirante, a qualquer distância. A obra de Gaudí é uma verdadeira ode à preciosidade que a arquitetura pode criar. Em um dia ensolarado, a visita fica ainda mais especial, com o sol penetrando os gigantescos vitrais. O efeito dentro do templo é de acolhimento, de paz. Olhe para cima: o teto é outra obra de arte, o mesmo se olhar para frente e se deparar com o Cristo “flutuando” no altar. Não há como não se emocionar. A visita pode ser estender a duas torres que estão prontas. Porém, para subir é preciso pagar um ingresso extra. Informações sobre horários, preços e como chegar em www.sagradafamilia.org/

Bairro Gótico
Os bairros de Barcelona são como a própria cidade: uma colcha de retalhos e cada um com sua particularidade (e atrações). Não deixe de ir a El Raval, El Born e a Eixample. Porém, o Bairro Gótico, ou Barri Gòtic (em catalão) é muito especial e não deve ficar de fora do roteiro. Ele é o mais antigo de Barcelona, bem pitoresco com ruas estreitas, herança romana. É preciso ter paciência ao passear pelas ruas, pois o local está sempre de turistas. O bairro abriga casas antigas e praças gostosas de sentar, tomar um café e apreciar o vaivém de moradores e visitantes. E não se preocupe se bater a fome, o lugar concentra bistrozinhos e restaurantes. O preço não é lá dos mais em conta, mas afinal estamos em uma zona turística. E se, ao final do passeio, quiser levar uma lembrancinha, é só entrar em alguma das várias lojinhas. Informações sobre como chegar em www.es.barcelona.com/guia_ciudad/visitas_guiadas/barrio_gotico.

Praia de Barceloneta

Praia
O catalão é um povo bem desprendido, principalmente em relação ao corpo. Por isso, não estranhe ao se deparar com mulheres fazendo topless na principal praia da cidade. É uma atitude normal, natural e muito corriqueira. E visitar Barcelona sem conhecer a orla é como ir a Roma e não ver o Vaticano. Então, se o clima permitir, coloque uma bermuda, um par de chinelos e uma camiseta e siga para Barceloneta. Quem vai de metrô conta com uma estação perto, Barceloneta, na linha 4. Antes de chegar à faixa de areia, o visitante já vai tendo uma ideia de onde pode comer. São diversas opções de restaurantes que vão de fast-food aos mais chiques com menu tradicional. Já na praia, se a temperatura da água estiver boa, dê um mergulho, tome sol e aprecie a paisagem. Igual as praias brasileiras, logo aparecerá alguém vendendo drinques e comidinhas. Se não quiser experimentar essas “iguarias” feitas em casa, há uma estrutura mais próxima da areia com bares e restaurantes. Caminhando pela orla, há outros restaurantes e até baladas à beira-mar. Basta entrar, escolher o que mais te apetece no menu. Próximo de Barceloneta ficam ainda a Vila Olímpica, construída para o Jogos Olímpicos de 1992, além da Ciutadella. Outras praias estão no caminho, como Nova Icària, Mar Bella e Llevant. Aproveite!

Outros Posts

Eduardo Gregori

Eduardo Gregori é jornalista profissional e consultor de viagens. Eduardo Gregori is a professional journalist and travel consultant.

Leia Também