Bariloche não é apenas para esquiar

Bariloche já se prepara para mais uma temporada de Inverno. O destino é um dos preferidos dos brasileiros nesta época do ano. Porém, a cidade argentina tem muito mais a oferecer do que simplesmente uma das mais famosas estações de esqui da América do Sul. Com suas belezas naturais e paisagens deslumbrantes, San Carlos de Bariloche é uma cidade emocionante, hospitaleira e romântica. Em meio a paisagens impactantes, o destino reserva uma beleza natural única, montando um cenário perfeito para muita diversão. Seja no Inverno ou Verão, é possível sentir adrenalina e aproveitar todas as atrações proporcionadas. Além das atividades de aventura, o destino é conhecido por sua segurança, principalmente para quem elegeu o local para sua viagem de formatura, por exemplo – tranquilidade para os pais. Por isso é um dos mais procurados em toda America do Sul para o “rito de passagem”. Por lá, nunca falta o que fazer!

Topo do Cerro Catedral, em Bariloche

Apesar do estereótipo gelado já criado sobre Bariloche, há pontos fortes do destino que vão muito além do frio. No Verão há diversas opções de atividades, principalmente para quem busca os esportes de aventura, pois há grande oferta de excursões e passeios na região. E ao contrário do que se pensa, as atividades não têm limites de idade, gênero ou sexo. Próximo ao Centro é possível encontrar todas as opções imagináveis de práticas sob o sol e em meio a um ar puro. O turismo de aventura é uma modalidade que vem crescendo nos últimos anos por lá, principalmente porque a maioria das atividades é realizada no Parque Nacional Nahuel Huapi, um celeiro de possibilidades. Entre as opções estão rafting, trekking, arvorismo, caiaque, parapente, canoismo e algumas práticas mais calmas, como trilhas a cavalo e pesca.

Trekking
Para quem não conhece, o trekking é uma atividade destinada aos interessados em andar. Em Bariloche, as opções de trilhas são inúmeras. O caminho chamado Pampa Linda, no Vale Castanho Overo, compreende a distância entre Tronador, até o glacial Castanho Overo. Após o traslado para Pampa Linda, se atravessa o rio Castanho Overo. No último trecho, entre as copas das árvores, é possível observar grande parede de gelo refletindo cores da paisagem. O tempo estimado de passeio é de quatro horas.

Trekking

Na colina de Cerro Challuaco, o caminho é de leve grau de dificuldade, por se tratar de uma localização acessível. Neste trecho o visitante pode conhecer o vale do Challuaco, começando no cerro Challuaco. Para os mais aventureiros, existem também as caminhadas que duram dias, como é o caso do percurso intitulado Laguna Negra. O trekking é realizado pelos montes, com subidas e descidas intensas.

Caiaque
O passeio de caiaque em Bariloche é algo muito especial, por isso vem ganhando muitos adeptos nos últimos anos. A atividade é realizada em lagos glaciais ao pé das montanhas patagônicas, com suas águas de cor bela, totalmente transparentes, com caiaques para uma ou duas pessoas, com pontos de partidas variados. O tempo de duração pode ser de apenas uma hora como também de vários dias, dependendo da programação. O embarque principal do passeio ocorre a 11 quilômetros de Bariloche.

Rafting
O rafting nada mais é do que a prática da descida em corredeiras d’ água sempre em equipe, e logicamente com o uso de botes infláveis e materiais de segurança. Em Bariloche há três percursos principais: dois do Rio Manso e um no Rio Limay. No Rio Manso o percurso é realizado de acordo com o grau de dificuldade. O caminho chamado Rio Manso Inferior é ideal para os primeiros passos em rios de montanha, e a opção é destinada para toda a família. Este trajeto não requer experiência, e até mesmo crianças de cinco anos podem participar.

Parapente
Você já sentiu vontade de voar? Com o auxílio de um instrutor especializado, isto é possível na atividade intitulada parapente. Semelhante à asa-delta e ao paraquedas, o parapente não requer nenhuma experiência ou treinamento físico.

Parapente voa sobre Bariloche
Parapente voa sobre Bariloche

Montain Bike
A bicicleta é uma ferramenta para uma atividade divertida que pode ser praticada por todos, porém na Argentina há uma diferença: a paisagem. Assim como o parapente os percursos variam de acordo com a época do ano e o clima, e podem ser realizados em diferentes horários, locais e travessias. Os interessados devem portar capacete, luvas e óculos protetores, além de uma mochila pequena com agasalho e uma troca de roupa.

Pesca esportiva
Para os mais sossegados, a pesca sempre será uma ótima pedida. A temporada se prolonga durante seis meses (de novembro até abril) e pode ser realizada no lago Moreno, na região do rio Limay, no parque Nacional Nahuel Huapi (no qual existem duas grandes bacias pesqueiras), no rio Manso, no lago Nahuel Huapi e na zona de Vila Llanquín.

Pesca nos lagos de Bariloche
Pesca nos lagos de Bariloche

Não somente no Verão, como também nas outras estações, é possível praticar esportes ao ar livre, em tipos diferentes de terreno e clima. As outras estações também são chamativas por detalhes peculiares: o Outono traz paisagens estonteantes com montanhas ocres e avermelhadas. O Inverno, que vai de junho até setembro, é a conhecida estação da neve, com esportes que vão além do esqui, destinados a todos os públicos.

Veja imagens de Bariloche

Além das montanhas onde se podem praticar esqui e snowboard (Cerros Catedral e Tronador) destacam-se a travessia dos lagos andinos até o Chile, Isla Victoria (no lago), e os percursos turísticos chamados Circuito Chico e Circuito Grande, além do Parque Nacional Nahuel Huapi. Um deles é o Circuito Chico, normalmente o primeiro para quem desembarca na região. Do centro da cidade (de carro) se percorre 65 quilômetros até a Villa Llao Llao. No caminho há uma parada no Cerro Campanário, onde está uma das sete melhores vistas do mundo, com oito belíssimos mirantes. Normalmente o Circuito Chico é combinado com uma visita ao Cerro Catedral, vale a pena ter tempo para a prática de boas esquiadas.

Outro passeio imperdível para ver a cidade do alto é ir ao Cerro Otto. No cume do Cerro há uma confeitaria giratória, um mirante lindo e o museu de cópias de obras-primas da arte ocidental, como o Davi, de Michelangelo. Todos esses picos parecem aperitivos quando comparados ao mais alto deles, o Cerro Tronador, 3.554 metros acima do nível do mar e a 90 quilômetros de Bariloche, já na fronteira com o Chile. Para conhecê-lo é necessário um dia inteiro. No caminho há dois belos lagos, o Mascardi e o Gutierrez, além de outro pico, o Cerro dos Emparedados.

O emblemático Hotel Llao Llao
O emblemático Hotel Llao Llao

Outra forma de conhecer Bariloche é navegando pelos muitos lagos da região, sempre partindo do pequeno porto próximo ao Hotel Llao Llao. O roteiro clássico vai até a Isla Victoria e ao Bosque Arrayanes, com duração de meio dia ou um dia inteiro. No caminho, a atração são as gaivotas, que comem biscoitos nas mãos dos turistas e acompanham o barco durante toda a viagem. Outra grande atração é a gastronomia que tem influencia dos imigrantes e inclui a famosa fondue dos suíços, o delicioso strudel dos alemães, as massas caseiras dos italianos e, claro, a carne argentina e o cordeiro patagônico. A cidade, destino escolhido por muitos brasileiros durante o inverno por conta da neve, também produz chocolates irresistíveis e da mais alta qualidade.

Para quem elegeu o destino para sua viagem de formatura, o local possui a estrutura e atmosfera perfeitas para aproveitar esse momento com hotéis e baladas exclusivas. As casas noturnas seguem o ritmo de Buenos Aires, começando somente após a meia-noite. A cidade também conta com Pubs com bandas covers de rock. Existem mais lanchonetes e restaurantes que ficam abertos até de madrugada, servindo desde pratos tradicionais, como truta, até sanduíches, e cerveja artesanal.

Mais informação sobre o destino em: https://bariloche.org

 

Eduardo Gregori

Sou jornalista, viajo profissionalmente e por prazer. Também sou cantor e DJ. I am a journalist and a profesional and leisure traveller. I also sing in weddings and DJ

Leia Também